• ter. jan 26th, 2021

UE divulga projeto para limitar poderes das gigantes da tecnologia

ByMax Blanc

dez 15, 2020
 Amazon, Apple, Facebook e Google podem enfrentar restrições na Europa

Amazon, Apple, Facebook e Google podem enfrentar restrições na Europa
Reuters

Empresas de tecnologia dos Estados Unidos, incluindo Amazon, Apple, Facebook e Google poderão enfrentar multas de até 10% de sua receita anual e até serem forçadas a se desmembrar sob o novo projeto de regulação da União Europeia anunciado nesta terça-feira.

As novas regras são a tentativa mais séria do bloco de domar empresas de tecnologia norte-americanas que controlam uma grande quantidade de dados e plataformas online das quais milhares de empresas e milhões de europeus dependem para trabalhar e socializar.

O projeto também reflete a frustração da Comissão Europeia em seus processos antitruste contra as gigantes da tecnologia, notadamente o Google, que, segundo críticos, não resolvem o problema.

A Comissária Europeia da Concorrência, Margrethe Vestager, e o Comissário do Mercado Interno, Thierry Breton, também veem as regras como uma tentativa de impedir o surgimento de empresas dominantes e anticoncorrenciais.

Um dos conjuntos de regras, o Digital Markets Act, prevê multas de até 10% da receita global anual para os chamados “gatekeepers” online que não cumprirem a legislação, bem como prevê possibilidade de pedido de desmembramento de unidades das empresas como último recurso.

Tais empresas também serão obrigadas a relatar às autoridades seus planos de fusões e compras de companhias, uma medida que visa prevenir aquisições que matam empresas rivais.

O segundo conjunto de regras, o Digital Services Act, também visa plataformas online de grande porte, como as que possuem mais de 45 milhões de usuários.

As plataformas serão obrigadas a fazer mais para combater conteúdo ilegal, uso que infringe direitos fundamentais e a manipulação intencional de informações para influenciar eleições e questões de saúde pública, entre outras diretrizes.

Ambas as propostas de regras precisam ser aprovadas pelos países da UE e pelos parlamentares do bloco, alguns dos quais têm pressionado por leis mais rígidas, enquanto outros estão preocupados com o alcance e o impacto sobre a inovação.

Espera-se que as empresas de tecnologia, que pediram leis proporcionais e equilibradas, aproveitem essa divisão para fazer lobby por regras mais fracas, com uma versão final prevista para os próximos meses ou mesmo anos.

Empresa de veículos autônomos anuncia seu primeiro robotáxi

Fale Conosco
Mande um WhatsApp