• dom. jul 25th, 2021

Sonda chinesa que pousou na Lua decola para retornar à Terra

ByMax Blanc

dez 3, 2020
A sonda Chang'e 5 coletou cerca de 2kg de amostras de solo lunar

A sonda Chang’e 5 coletou cerca de 2kg de amostras de solo lunar

Agência Espacial Chinesa (CNSA) via CNS / AFP – 2.12.2020

A sonda chinesa Chang’e 5 deixou a superfície da Lua nesta quinta-feira (3) rumo à Terra — conforme imagens divulgadas pela televisão estatal CCTV.

Leia também: Sonda chinesa Chang’e-5 pousa com sucesso na superfície da Lua

O objetivo da operação é retornar com amostras do solo lunar. Se for bem-sucedida, será a primeira vez em mais de 40 anos que uma missão com este fim é concluída com sucesso.

O módulo, que pousou na Lua na terça-feira (1º), decolou na quinta-feira às 23h10, horário de Pequim (12h10, em Brasília), acrescentou a CCTV.

Detalhes da missão

Em uma imensa sala de controle, os engenheiros encarregados da missão aplaudiram o feito, com o olhar fixo nos telões.

Chang’e 5 é composta de várias partes: um orbitador, um módulo lunar e um módulo para voar do solo para a órbita lunar.

Este último saiu da Lua propulsado por um motor com pouco mais de 300 kg de empuxo, em um voo que durou seis minutos, informou a agência espacial chinesa.

As rochas, colocadas no módulo de subida, tiveram que ser transferidas para uma “cápsula de reentrada”.

Se não houver imprevistos, a China se tornará o terceiro país a conseguir trazer para a Terra amostras de solo e rochas lunares, depois dos Estados Unidos e da União Soviética.

A URSS foi a última a concluir o feito, com a missão robótica Luna 24, em 1976.

A emissora pública chinesa CCTV descreveu nesta quarta-feira a Chang’e 5 como uma das operações “mais complicadas e delicadas” do programa espacial nacional.

A missão incluiu a extração de 2 kg de rochas após a perfuração do solo até dois metros de profundidade, no “Oceano das Tempestades”.

Uma vez analisados pelos cientistas, elas ajudarão a explicar a história lunar.

– Objetivo: Marte –
Esta missão é a nova etapa do programa espacial chinês. No início de 2019, conseguiu, pela primeira vez na história, realizar a alunissagem de um aparelho na face oculta do satélite.

A agência espacial chinesa conseguiu pousar dois pequenos robôs guiados remotamente (os “Coelhos de Jade”), em 2013 e 2019.

A China investe bilhões de euros em seu programa espacial para conseguir alcançar a Europa, Rússia e os Estados Unidos.

Em 2003, enviou seu primeiro astronauta ao espaço. O gigante asiático também concluiu o desenvolvimento de seu sistema de navegação Beidou, rival do GPS americano, em junho passado.

A China também lançou outra sonda para Marte neste verão, onde deve chegar em pouco mais de dois meses, e planeja começar a montar uma estação espacial em 2022.

A chegada das rochas à Terra aconteceria antes de meados de dezembro, na Mongólia(norte da China).

Além do interesse científico em trazer as amostras, esta missão permite que a China teste manobras e tecnologias essenciais para realizar seu projeto de enviar astronautas à Lua.

Fale Conosco
Mande um WhatsApp