• seg. maio 10th, 2021

Leydy Pech, a ‘guardiã das abelhas’ que venceu batalha contra a Monsanto no México

ByMax Blanc

dez 2, 2020
Leydy Pech, de 55 anos, sustenta sua família através da apicultura

Leydy Pech, de 55 anos, sustenta sua família através da apicultura
Fundação Goldman

“Não é apenas uma luta contra a Monsanto, mas contra todo o modelo de desenvolvimento do agronegócio que se impõe no México e que está nos prejudicando.”

É assim que Leydy Araceli Pech Martín, apicultora maia de 55 anos, resume a batalha jurídica contra os agrotóxicos que trava há quase 10 anos e que a levou a enfrentar uma das maiores fabricantes de defensivos agrícolas do mundo: a Monsanto.

Também conhecida como “guardiã das abelhas” ou “senhora do mel”, Pech mora em um vilarejo de Hopelchén, na península de Yucatán, no Médico.

O território é fortemente afetado pelo desmatamento e por resíduos tóxicos de defensivos usados na agricultura industrial, que prejudicam particularmente os ecossistemas dos quais as abelhas dependem.

Pech sustenta sua família através da apicultura. Junto com outras mulheres da área, ela se dedica à criação e preservação da melipona beecheii, uma espécie selvagem sem ferrão domesticada pelos povos maias do México por centenas de anos.

Sua maior conquista foi liderar uma coalizão para impedir o plantio de soja geneticamente modificada pela empresa Monsanto no sul do México.

A Suprema Corte do país decidiu que o governo violou os direitos dos maias e suspendeu seu plantio. Graças a seus esforços, a permissão do governo para o plantio foi revogada.

Plantas geneticamente modificadas costumam ser projetadas para ser resistentes a herbicidas e normalmente há um uso maior de agrotóxicos nesse tipo de plantação.

 

Pech tem origem maia e vive no México

Pech tem origem maia e vive no México
Fundação Goldman

Na segunda-feira (30/11) Pech recebeu o Goldman, um dos mais importantes prêmios ambientais do mundo, por sua “luta histórica”.

“Sua batalha é modelo para outros movimentos de luta indígena pela proteção de seus direitos e de suas terras”, disse a Fundação Goldman, que concede o prêmio a seis pessoas anualmente.

Pech espera que a conquista sirva para tornar visíveis os problemas que seu povo enfrenta e continuar com uma batalha que não acabou e da qual, diz ela, nunca desistiu.

“Desde que comecei essa luta, empresas e governos queriam mostrar que eu não era ninguém e que não ia servir para nada. Porém, isso não me paralisou; pelo contrário, me fez buscar mais aliados. Encontrei força na unidade dos povos maias”, afirma Pech em entrevista por telefone à BBC News Mundo, o serviço em espanhol da BBC.

A seguir, leia trechos da entrevista.

 

Plantações geneticamente modificadas consomem mais agrotóxicos em geral

Plantações geneticamente modificadas consomem mais agrotóxicos em geral
Área Audiovisual

BBC – A empresa Monsanto (adquirida em 2016 pela farmacêutica Bayer) controla 90% do mercado internacional de sementes e é líder mundial na produção de herbicidas. Você tem um terreno de apenas dois hectares para cultivar mel, onde mora sua família. Como foi enfrentar uma grande multinacional de uma posição tão “pequena”?

Leydy Pech – Não foi fácil. O mais difícil foi, em primeiro lugar, entender a complexidade e os danos que seria causados pela permissão concedida à Monsanto pelo governo para o plantio de soja transgênica nos territórios das comunidades maias de Hopelchén. Não sabíamos o impacto que essa autorização teria.

A primeira coisa que queríamos era entender o que significa transgênico. Nem sabíamos o que era soja geneticamente modificada ou os danos associados a essa cultura. Uma vez que conseguimos entender os efeitos que este plantio de soja transgênica teria em nossos meios de subsistência, especialmente na apicultura, decidimos nos organizar, unir o povo maia de Hopelchén. Então, entramos com dois recursos na Justiça (um como comunidades indígenas e outro como organizações de apicultores).

Foi algo histórico porque nunca tivemos um processo como este na Península de Yucatán. Essa luta que iniciamos também nos ajudou a entender a interação das comunidades maias com o meio ambiente e a natureza. Percebemos que vivemos sob ameaça, que vivemos sob risco. Isso nos levou a organizar nossa defesa.

De 2011 a 2012 — quando descobrimos sobre a permissão do governo para a Monsanto— iniciamos nosso processo legal e chegamos ao Supremo Tribunal Federal em 2015. Mas foram muitas as complexidades.

 

Pech luta contra a destruição da natureza ao lado de outras mulheres

Pech luta contra a destruição da natureza ao lado de outras mulheres
Fundación Goldman

BBC – Por quê? O que aconteceu desde então?

Pech – O processo nos deu a oportunidade de tornar visíveis os problemas que estamos enfrentando com o plantio da soja transgênica. Desde então, existe um acordo que obriga o governo mexicano a consultar os povos indígenas sobre essas plantações. Foi uma conquista muito importante, sem dúvida.

O governo afirma que a consulta deve ser prévia, livre e informada, culturalmente adequada e de boa fé. Mas nenhum desses princípios é respeitado. Por exemplo, é usada uma linguagem muito técnica que dificulta nossa compreensão. Vimos que estava surgindo uma violação de nossos direitos, por isso rejeitamos essa consulta.

De 2016 a 2018 iniciamos um novo processo, mas nunca ultrapassamos a primeira fase dos acordos anteriores porque eles queriam nos impor um protocolo que nunca aceitamos, nem com o governo que saía nem com o que entrava [Andés Manuel López Obrador, presidente desde dezembro de 2018].

Hoje, o processo continua parado porque o governo ainda não quer respeitar os protocolos dos povos indígenas. E isso não acontece apenas em Hopelchén ou em Yucatán; existem outras lutas dos povos indígenas que estão ocorrendo em nível nacional e que não são respeitadas. Projetos contrários aos nossos modos de vida estão sendo impostos.

 

O desmatamento é um grande problema no México

O desmatamento é um grande problema no México
Área Audiovisual

Voltando à Monsanto, há uma batalha que alguns dizem que vencemos: a revogação da permissão da empresa para cultivar soja geneticamente modificada em sete estados do país em 2017. De fato, isso aconteceu. E mais tarde houve outra revogação de todas as autorizações que a Monsanto tem em nível nacional.

No entanto, enquanto estávamos nesse processo, a empresa continuou a introduzir sementes transgênicas em nosso território. E hoje, em nosso município, a soja transgênica ainda é plantada e comercializada em um ambiente de impunidade e violação de direitos.

Acredito que seja necessário que as autoridades competentes implementem esta revogação da licença da Monsanto. Não adianta nada que as licenças estejam sendo revogadas se eles continuarem a pulverizar (agrotóxicos), se continuarem a desmatar, se continuarem a poluir o ar e a água e matar minhas abelhas. Tudo o que está sendo feito permanece mera formalidade.

 

O México é o sexto maior produtor de mel do mundo, e 40% da produção nacional de mel vem da Península de Yucatán

O México é o sexto maior produtor de mel do mundo, e 40% da produção nacional de mel vem da Península de Yucatán
Área Ausdiovisual

BBC – E por que isso acontece?

Pech – Pelos interesses econômicos do governo e das autoridades mexicanas, que não zelam pelos povos indígenas. Não estamos representados nesse modelo capitalista que viola nossos direitos. Para nós, a selva, a água, as florestas, a biodiversidade são importantes. Nós cuidamos e conservamos isso, mas que o governo só vê como recursos que não estão sendo usados. Uma das coisas que continuamos a defender é que preciso nos proteger contra os danos ambientais associados ao aumento da agricultura industrial.

Fala-se em produzir alimentos de uma forma que não é a dos povos indígenas, mas das empresas. Fomos retirados de nossos territórios para a realização de projetos que nos afetam diretamente, que nos fazem perder o nosso sustento e nos marginalizam ainda mais. Qual modelo de desenvolvimento está sendo promovido? Quem se beneficia? É a discussão que os povos indígenas têm hoje.

 

Leydy Pech diz que os indígenas estão ameaçados no México

Leydy Pech diz que os indígenas estão ameaçados no México
Fundación Goldman

BBC – Os povos maias da Península de Yucatán vivem tradicionalmente da apicultura. Como o agronegócio os afeta?

Pech – As abelhas são nosso patrimônio, mas estão em risco porque a cada dia se desmata mais e começam monoculturas que as matam. A conservação é importante para mim porque dependo do meu território para viver.

As abelhas são meu sustento e também são essenciais para a vida. Também acho importante falar sobre os danos que estão causando o uso indevido de pesticidas como o glifosato [o herbicida mais usado no mundo]. São produtos muito perigosos que poluem o ar, a água e os alimentos. Isso é algo que não afeta apenas os povos indígenas. Afeta a todos nós e deve ser uma luta de todos porque é pelo bem comum.

BBC – Defender esse bem comum muitas vezes significa arriscar a vida, especialmente para ativistas indígenas. Só em 2019, no México, havia 18 registros de ambientalistas assassinados, mais da metade de povos indígenas (de acordo com um relatório recente da Global Witness). Como você encara esse risco?

Pech – Sim, eu sei que existe um risco, principalmente pelos interesses que se desestimulam nessa luta. A questão da defesa ambiental é delicada e sou ainda mais vulnerável por ser mulher. É difícil entrar em espaços onde existem papéis estabelecidos por homens não indígenas que muitas vezes me subestimam.

Mas acredito que as mulheres podem abrir esses espaços para outras mulheres. Também vejo isso como uma responsabilidade. Estamos na linha de frente e corremos um risco maior. Eles me borrifam diariamente e matam minhas abelhas. Mas tem que se tornar uma responsabilidade social, uma responsabilidade de todos. Tudo o que estamos defendendo serve ao resto do planeta. Nós precisamos de ajuda. Biodiversidade é vida. As abelhas são vida.

 

Fale Conosco
Mande um WhatsApp